20.11.2018 / Prof. Jucemar

Conectados com o mundo e desconectados do mundo

Ninguém pode negar o lado bom da tecnologia. Estamos conectados com o mundo!! A facilidade e a praticidade que temos na palma da mão: músicas, vídeos, fofocas das celebridades, wattsapp, compartilhamentos, jogos, agenda de trabalho e outras curtições.

O que veio para ajudar as pessoas a se comunicarem melhor, está atrapalhando os relacionamentos. O celular está aprisionando as pessoas a um mundo de ilusão e distanciando-as de seu mundo real. Uma fuga que tem causado grandes prejuízos emocionais.

O que nasceu para melhorar e facilitar a vida das pessoas, o celular, na verdade está atrapalhando. Esse pequeno aparelho tem o poder e o magnetismo de “cativar e aprisionar” as pessoas a um mundo não real!

É como se as pessoas perdessem suas próprias identidades à medida que se deixam moldar aos novos hábitos sociais, tornando-as mais consumidoras das mídias e mais distantes uns dos outros. E de fato esse é o grande paradoxo. As mídias sociais dão a sensação de que estamos conectados com o mundo, mas na verdade, elas estão nos afastando dele, nos isolando numas bolhas digitais!

Já perceberam que as pessoas andam cabisbaixas? Não tem mais oportunidade de sentir a vida, de perceber o que passa ao seu redor? De observar o lindo dia? É triste o cenário no qual vemos uma família reunida para compartilhar uma refeição, mas cada um conectado ao seu mundo de interesse, sem comunicação, sem contato visual. Com esse pequeno aparelho, acordamos, trabalhamos, nos relacionamos, nos divertimos, estudamos, e com ele vamos dormir. Personalizamos o objeto e coisificamos as pessoas! Uma triste realidade dos nossos dias.


Toda vez que você se conecta, uma porta se fecha para os outros, seja a do seu quarto seja a do seu coração! Estamos perdendo o momento oportuno para sermos felizes. Onde e quando? Ao lado das pessoas que amamos: nossos filhos, nossos amigos e nossos pais. Deixando de dar atenção, brincar, bater um papo, sonhar juntos!

Ter o celular “da hora” com todos os recursos que ele traz, torna-se um verdadeiro objeto de cobiça dos consumidores. Mas ao mesmo tempo revela a dinâmica social capitalista que se instala em nossa sociedade. O “fetichismo da mercadoria” que produz também alienação (Marx).

Os objetos, que se tornam símbolos de poder e ostentação, estão interferindo nas relações sociais entre e sobre os indivíduos! Ganham vida própria e atenção exclusiva, com uma certa subserviência, o que faz ignorar as pessoas que estão ao seu lado, numa atitude quase imperceptível de demostrar “desprezo”, “descaso” com quem se está interagindo.

Nada mais perturba do que tentar conversar com uma pessoa que está “conectada”, uma verdadeira frustração!

O desafio dessa reflexão é: procure perceber o outro, dê atenção às pessoas que você ama Mostre que se importa com elas. Desligue seu celular nos momentos mais importantes de sua vida. Não permita que ele roube esses momentos únicos!

Não permita que ele roube sua verdade, sua família, sua vida!